A lógica de um discurso: o empresário schumpeteriano

Por admin
em 2020/09/06
0 Visualizações

O sistema teórico schumpeteriano, mesmo contra a vontade do autor, pode ser facilmente interpretado como teoria do ciclo da capacidade empresarial, devido ao encadeamento lógico explicativo do modus operandi do desenvolvimento capitalista: inovação, novas plantas industriais, novas firmas, novo homem (empresário) e, por fim, a necessidade de crédito ad hoc. Em outros termos, o surgimento do desenvolvimento econômico é motivado pela existência de grupos empresariais de qualificação especial, distinguidos pela liderança social, os quais encaminham com êxito uma nova combinação dos fatores de produção. A lógica desse discurso teórico evidencia a importância da hipótese do empresário inovador para a teoria schumpeteriana.

A construção desse sistema teórico e sua terminologia expressam, em boa medida, o método de análise do autor. Schumpeter entendia que a análise econômica visava refinar e sistematizar a lógica do empírico. Não abria mão de hipóteses subjetivas para qualificar o comportamento econômico dos agentes e diferenciá-los como classes. Este artigo discute a questão do empresário schumpeteriano. A segunda seção estuda alguns aspectos da teoria econômica schumpeteriana.

A seguir, discutimos sua teoria de classe e o conceito de empresário. Finalmente, procuramos demonstrar os aspectos lógico-históricos que suscitam a defesa desse sistema teórico. Faremos duas críticas básicas à concepção de empresário desse autor: primeiro, do ponto de vista lógico, mostraremos as implicações teóricas de assimilação desse modelo teórico; segundo, Schumpeter, em sua síntese teórica, oscila entre o marxismo e a escola neoclássica; todavia ao resgatar a estrutura conceitual do empresário sobre bases neoclássicas, desfigura os elementos de inspiração marxista.

Veja a publicação completa em revista especializada aqui.