Crítica à Pesquisa Eleitoral

Por RBCalazans
em 1997/08/20
13 Visualizações

CALAZANS, Roberto B. Crítica à Pesquisa Eleitoral. Jornal do Comércio, 20/08/97.

Um dos fatos mais marcante mais marcantes nos últimos processos eleitorais, é, por um lado, a crescente importância atribuída aos prestigiados institutos de pesquisas de opinião, que fornecem um produto específico para os partidos políticos e pautam a construção da notícia na imprensa em geral. De outro lado, é crescente a crítica à forma de utilização das pesquisas de opinião, principalmente por induzirem o voto, criarem polarização entre os candidatos de maior densidade eleitoral e por reduzirem o debate político sobre os programas partidários à simples reafirmação (ou crítica) das últimas tendências indicadas pelas pesquisas de opinião.

Fora da retórica política, é difícil negar a cientificidade das pesquisas de opinião, ainda que sejam pertinentes as críticas quanto à necessidade de transparência, ao “time” político de sua divulgação, etc. Contudo, uma das principais críticas refere-se, ainda, ao fato dessas pesquisas poderem induzir o voto do “eleitor médio”, o que representaria uma fragilização do processo democrático. Mas esse ponto não nos parece abarcar um dos aspectos cruciais da questão. Pretendemos aqui caracterizar o significado deste instrumento no contexto de uma típica economia de mercado. Como bem observa Bourdieu, a pesquisa de opinião é um instrumento de ação política, cuja funcionalidade consiste em impor a ideia de que existe uma opinião pública constituída.

As pesquisas de opinião são concebidas com base nas seguintes postulações: 1) que existe uma opinião pública formada; 2) que é possível tipificar tendências indicativas de comportamento do eleitor; 3) que todas as opiniões são homogêneas e tenham a mesma carga de valoração; 4) que são neutras e objetivas, livres de pressões externas dos agentes privados. A sustentação desses postulados traz algumas distorções aos resultados finais produzidos por esse instrumento, mesmo havendo rigor metodológico e elevado grau de transparência. Por isso, não é suficiente questionar a validade desse instrumento do ponto de vista científico, mas também é pertinente reavaliar as idéias implícitas na sua construção e reconhecer os efeitos de sua submissão às regras de mercado.

Em primeiro lugar, supor que a opinião pública está formada implica centrar toda a análise das tendências eleitorais nas respostas afirmativas, ignorando a dimensão dos eleitores indecisos e das não-respostas e do próprio dinamismo do processo eleitoral. Assim, a insistente procura por tendências de voto colabora para criar uma falsa expectativa na sociedade sobre a tendência do processo eleitoral, desviando a cena política para simples polarizações entre as candidaturas mais fortes, ou que mais aparecem nas respostas afirmativas. É, por isso, que as pesquisas não conseguem captar a dimensão dos votos não válidos, ou fenômenos de votação (como o caso da Senadora Emília Fernandes, eleita pelo PTB, em 1994), ou mudanças de intenções de voto no período próximo à votação (os “ajustes” acabam se processando somente nas pesquisas de boca de urna, ou são divulgados empate técnico, quando não é o caso).

O efeito da utilização insistente dos números produzidos pelas pesquisas é, pois, impor a ideia de que existe certa convergência de intenções e que a opinião pública se forma em torno de determinadas tendências. Reduz, desse modo, o raciocínio político do cidadão ao simples jogo evolutivo de percentagens, como se estivesse numa bolsa de valores, onde as intenções de voto flutuam e convergem para determinadas candidaturas, como se fossem guiados pela ação de um leiloeiro walrasiano.

Nesse tipo de discurso, simplifica-se a relação entre os eleitores e os partidos, já que o debate político se centra, invariavelmente, na reafirmação (ou crítica) dos resultados das pesquisas anteriores, sem aprofundar o conteúdo programático e as ações de governo a serem encaminhadas pelos candidatos ao atingirem o poder. Em segundo lugar, supor que a utilização das pesquisas é neutra e que a objetividade de sua construção garante simplesmente sua isenção é recair num exercício puramente positivista, apagando a dimensão mercantil das relações que se estabelecem entre os agentes políticos. Os institutos de pesquisas regem-se por regras de mercado e situam-se num mercado restrito, de alto poder econômico, ainda sem mecanismos de regulação por parte da sociedade civil.

A suposição de neutralidade das pesquisas reafirma simplesmente a velha idéia de que existe uma opinião individual atomizada, do tipo Robinson Crusoé. Na realidade, não existe opinião individual sem a pressão da opinião coletiva concebida por grupos sociais, ou, ainda, criada pelo poder da informação. Existem, na economia de mercado, grupos de pressões constituídos que induzem à formação da opinião pública, pois essa é a forma de impor sua concepção de mundo para o conjunto da sociedade. Nesse sentido, não se pode negar tacitamente que muitos extratos sociais têm sua opinião induzida por mecanismos formadores de opinião. Linhas de pesquisas recentes em comunicação de massa dão conta de que os mass media não só formam a opinião, mas se pretendem construtores da própria realidade social. É natural que esse poder de indução influi sobre dada votação, todavia não necessariamente pode alterar o resultado final de uma eleição.

Obviamente, isso se deve ao fato que o grau de indução possui limites postos pela consciência individual, e que o eleitor tem uma racionalidade e subjetividade mais ampla do que a informada por pesquisas formais. Por fim, toda importância atribuída as pesquisas de opinião devem ser relativizadas e entendidas no marco da sociedade de mercado. As pesquisas de opinião são também instrumentos de ação política com funcionalidade própria e, de certa forma, podem influenciar uma ampla gama de eleitores indecisos e desprovidos de capital cultural. O pleno exercício da consciência crítica, por parte da cidadania, requer a existência de informações qualificadas quanto ao seu conteúdo e a sua forma, desprovidas de juízos de valores implícitos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *